Publicado em Artigos, Textos

Vale a pena reler livros?

Vale a pena reler livros?

Começo o texto de hoje com uma pergunta polêmica: Você relê livros? Por qual motivo?

Eu realmente acho que a vida é muito curta para ler todos os livros que que desejo conhecer. Sei que algumas pessoas veem a releitura de obras como um “desperdício de tempo”. Afinal, para que reler os mesmos livros, se ainda há tantos novos para descobrir?

Mas eu te garanto que há bons motivos para revisitar um livro. Além de tipos diferentes de leituras, que também geram experiências diversas.

Se você quiser entender melhor do que eu estou falando, siga a leitura até o final para descobrir algumas das experiências que uma releitura pode te proporcionar e, de quebra, receber algumas dicas sobre boas oportunidades para dar uma segunda chance a um livro da sua estante.

Vamos nessa?

Tipos de Livros

Em primeiro lugar, você precisa ter uma razão que te motive a voltar a um livro, concorda? Isso dependerá de acordo com o tipo de livro. Vejamos alguns exemplos:

  • Livros Teóricos: podemos estudar um mesmo tema em diferentes momentos de nossas carreiras. Além disso, uma releitura também pode ajudar a assimilar melhor alguns conceitos, caso você esteja lidando com muitas informações. O interessante é que cada experiência pode ser muito particular, uma vez que a cada leitura carregamos uma bagagem maior de conhecimentos. Você pode reler o livro todo, alguns trechos, ou então as anotações que fez ao longo da primeira leitura. Livros teóricos são um excelente material de estudo e, por isso, devem ser lidos sempre que necessário;
  • Livros de Consulta: esses talvez não configurem uma releitura propriamente dita. Mas são aqueles livros que servem para tirar dúvidas – podem ter os principais conceitos de uma área, modelos, citações, exemplos, dicas ou sugestões. É o famoso “livro de cabeceira”, ao qual você pode retornar sempre que tiver uma dúvida ou curiosidade. A ideia não é reler o livro inteiro, mas procurar exatamente aquilo que te interessa em determinado momento. Em resumo, são livros que devem ficar à disposição para eventuais consultas;
  • Biografias: se você admira uma celebridade, político ou qualquer personalidade, pode se interessar por consumir sua biografia. Porém, esse tipo de leitura pode ser densa para ser feita toda de uma vez. Por isso, assim como nos livros de consulta, você pode retornar às biografias sempre que desejar, caso queira se lembrar de um evento em especial, de uma citação, ou passagem marcante. O maior objetivo ao ler uma biografia é se inspirar, então é esperado que isso aconteça mais de uma vez;
  • Livros de Ficção: a literatura pode ser uma grande companheira ao longo da vida. Por meio da ficção, temos a oportunidade de viajar para diferentes mundos e realidades, mesmo sem sair do lugar. Mesmo sem um objetivo formal, um livro pode ser relido simplesmente porque você deseja ter um novo encontro com ele. Você pode querer reviver uma experiência ou então dar uma nova chance a uma história. É sobre isso que falaremos nos próximos tópicos.

7 Motivos para reler um Livro

Em geral, quando você pergunta a alguém o motivo dessa pessoa querer reler um livro, a resposta é simples: porque gosto dele! Quando criamos uma conexão com uma história, podemos sentir o desejo de reviver a experiência. Mas os motivos podem ir muito além disso. Confira!

  1. Para matar a saudade: é o motivo número um mesmo. Quando gostamos de uma história e de seus personagens, a experiência de retornar ao livro pode ser muito satisfatória. Aquela nostalgia gostosa, sabe? Uma sensação de familiaridade. Por isso, não hesite em revisitar seus velhos amigos;
  2. Melhor compreensão: seja um livro teórico ou ficcional, o fato é que algumas obras podem ser bastante densas, e talvez não dê para absorver tudo em uma única leitura. Por isso, você pode voltar em busca de alguns detalhes ou mesmo do pacote completo, tentando assimilar melhor o conteúdo. Uma segunda leitura pode te ajudar a compreender melhor as ideias do autor;
  3. Apreciar a obra: algumas obras são tão boas – seja na construção da narrativa, nos conceitos apresentados, ou mesmo nas frases bonitas e memoráveis – que você pode querer retornar por puro prazer, e não tem problema nenhum nisso;
  4. Resgatar conceitos: lembra que falamos sobre os livros de consulta? Um dos motivos para retornar a uma leitura pode ser a vontade de relembrar um conceito ou frase. Uma segunda leitura te permite achar os pontos chave com mais facilidade, então volte ao texto sempre que necessário;
  5. Absorver detalhes: alguns livros têm uma narrativa tão rica e detalhada que, por mais façamos uma leitura atenta, é difícil absorver todos os detalhes. Por isso, você pode retornar a ele depois de conhecer a trama central e, assim, conseguirá prestar atenção a sutilezas que tenham escapado em seu primeiro contato com a obra;
  6. Ler a história sob outro ponto de vista: após algum tempo e com uma nova bagagem, podemos ter um outro olhar sobre a mesma obra. Ler um mesmo livro no primeiro e no último ano da faculdade, por exemplo, podem proporcionar experiências completamente diferentes. O mesmo vale para um livro lido na adolescência e relido na vida adulta. Recomendo fortemente a experiência;
  7. Dar uma segunda chance: simples assim. Sabe aquele livro que você tentou ler e não gostou? Mas todas as pessoas parecem falar bem dele e você se pergunta o motivo de não ter se conectado com ele… Talvez você possa experimentá-lo novamente depois de algum tempo. Por mais que o livro permaneça o mesmo, você com certeza já mudou.

Tipos de Releitura

Ler um livro pela primeira vez é como abrir uma janela: você ainda não sabe o que vai encontrar do outro lado, mas há todo um mundo te esperando do outro lado. Você pode ter um vislumbre inicial da história, mas é aos poucos que uma imagem vai se formando à sua frente. Nesse sentido, uma segunda leitura pode oferecer uma experiência diferente. Como você já sabe o que vai acontecer, está mais confortável para prestar atenção e absorver detalhes. Desta vez, por não estar tocado pela curiosidade, pode fazer uma leitura mais crítica e reflexiva.

O fato é que a maneira como interpretamos um livro tem muito a ver com o nosso momento presente. A cada leitura, você será influenciado pelo conjunto de sentimentos, conceitos e opiniões que fizerem parte de seu cotidiano.

E é justamente essa a mágica do reencontro com uma obra!

Segundo o dicionário, “releitura” é a ação de interpretar novamente alguma coisa, acrescentando algo novo e original. E é exatamente isso o que fazemos ao nos depararmos com novos sentidos ao ler as mesmas páginas mais uma vez.

Eu acredito que existem dois tipos de releituras. Às vezes, reler um livro é como reencontrar um velho amigo e descobrir que algumas coisas nunca mudam. É encontrar conforto, voltar para um lugar conhecido. Da mesma forma que nos deliciamos com séries ou filmes que já memorizamos até as falas. Me refiro aqui àquelas leituras íntimas, acompanhadas de bastante nostalgia.

Por outro lado, às vezes nos deparamos com uma mesma obra em diferentes momentos da vida, e a cada leitura é possível ter uma percepção diferente, afinal, carregamos nossa própria história e bagagem de experiências, e estamos em constante mudança.

Então, é possível que um livro que você tenha gostado uma vez possa não te agradar em uma releitura. E, ao contrário, um livro que não tenha agradado no início, pode ser uma boa surpresa na segunda tentativa, mudando completamente sua opinião sobre ele.

Oportunidades para reler um livro

Se você fica naquele impasse entre ler um livro novo ou reler um já conhecido, se liga nessas dicas de momentos que podem ser boas oportunidades de embarcar em uma releitura:

  • Aprendizado: quando você precisa estudar e aprender – ou reaprender – um conceito, e decide recorrer às referências de sua área;
  • Lançamento de novas edições: se você for um colecionador de livros como eu, ocasionalmente deve se encantar com o lançamento de uma nova edição de uma obra já conhecida. Acertei? Quando comprar um livro repetido, pode aproveitar o momento para entrar em contato com a obra novamente, desta vez na nova edição;
  • Antes do lançamento de uma adaptação: sabe a alegria que dá quando um livro que a gente gosta vai receber uma adaptação nos cinemas ou então virar uma série? Antes de assistir a nova versão da obra, você pode querer se reencontrar com a original;
  • Antes do lançamento da continuação:  quem acompanha séries ou sagas, sabe que às vezes um novo volume pode demorar tanto para sair que a gente mal lembra em que ponto a história parou. Reler os volumes já lançados pode ser uma boa oportunidade de relembrar os detalhes e voltar para a familiaridade daquela história. Desta forma, com certeza o lançamento será mais bem aproveitado.
  • Ler em outro idioma: uma dica para quem está aprendendo outro idioma é ler um livro já conhecido. E essa é uma dica dois em um, você tem a oportunidade de retornar a uma história conhecida e pode ler no novo idioma algo que já conhece e tem familiaridade com o contexto;
  • Participar de um clube do livro: com as redes sociais, é cada vez mais comum ver leitores se reunindo para discutir suas obras favoritas. Isso deu força ao chamado “Clube do Livro” que, apesar de suas variações, consiste basicamente em um conjunto de pessoas que lê a mesma obra dentro de um prazo combinado e depois se reúne para compartilhar impressões e trocar experiências.

Chegamos a uma conclusão?

Não sei, essa resposta é muito pessoal. Então vou deixar que você me conte aqui nos comentários para continuarmos essa conversa.

É claro que nem todos os livros precisam ou devem ser relidos. Crie critérios para selecionar as obras que você deseja reler, de acordo com seus objetivos e suas vontades. Você não precisa se forçar a fazer uma leitura, especialmente se estiver lendo por lazer.

Eu acredito que vez ou outra precisamos retornar às bases, ou mesmo dar uma nova chance. O importante é o quanto uma releitura nos faz florescer, pois além do conteúdo absorvido, temos a oportunidade de nos reencontrarmos com nós mesmos, descobrindo o quanto mudamos entre uma leitura e outra.

Publicado em Artigos, Textos

Livro físico ou e-book: afinal, qual é a melhor opção?

Leitor digital Kindle, da Amazon.

Você já deve ter se perguntado – e talvez pesquisado – sobre qual é a melhor alternativa para a leitura: o bom e velho livro físico, ou o moderno e robusto leitor digital?

Eu começo este texto confessando que minha preferência ainda são os livros físicos. Como boa colecionadora, tenho uma estante repleta das mais diversas obras e gêneros literários. Porém, nos últimos anos a praticidade tem falado mais alto.

Desde que a Amazon, gigante na comercialização de livros, lançou seu próprio aparelho leitor de livros digitais, o Kindle, a disputa tem sido acirrada. Parece um sonho poder carregar milhares de exemplares em um aparelhinho que cabe na palma da mão, e o Kindle veio para revolucionar os hábitos de consumo e leitura de diversas pessoas.

Alguns leitores se posicionam como amantes fiéis do livro impresso, enquanto outros dizem que já não vivem mais sem seus dispositivos Kindle. Eu, como já disse, paguei a língua e acabei experimentando a leitura no formato digital. Apesar do meu amor pelos livros impressos, no ano passado, pela primeira vez, li mais obras no formato digital.

Como estou sempre postando sobre livros e comentando minhas leituras mais recentes, alguns amigos e pessoas da minha rede começaram a me ver como referência quando o assunto é leitura. Então, depois de notar que tantas pessoas tinham as mesmas dúvidas, resolvi escrever este artigo para expor minha visão sobre os prós e contras de cada um dos formatos.

Páginas de um livro.

Começando pelo Livro Físico, separei suas principais vantagens e desvantagens. As vantagens são:

  1. Relação Sensorial: o livro é um objeto, e tê-lo em mãos significa poder manuseá-lo e estabelecer uma relação com os diferentes sentidos. Você pode, por exemplo, apreciar a textura da capa e do papel, sentir o cheiro das páginas – mais alguém adora um cheirinho de livro novo por aí?;
  2. Explorar o livro: algo que eu gosto muito e sinto muita falta no leitor digital é poder explorar o livro antes de começar a leitura, além de dar uma espiadinha em outras páginas ocasionalmente. Na versão física, é possível ler a contra capa e orelhas do livro, ver quantas páginas o volume tem ou mesmo quanto falta para acabar um capítulo;
  3. Colecionar: o livro físico te permite criar o próprio acervo, algumas pessoas veem os livros como um item de coleção, ou mesmo de decoração. Além disso, existem algumas edições comemorativas e de luxo que são muito apreciadas pelos colecionadores;
  4. Não tem bateria: simples assim, você nunca vai precisar se preocupar em encontrar uma tomada ou interromper sua leitura por falta de bateria;
  5. Emprestar: a versão impressa de um livro permite rotatividade. Você pode emprestar, dar de presente, alugar em uma biblioteca, enfim, existem diferentes maneiras de compartilhar um livro.

Já as principais desvantagens são:

  1. Peso: a depender do número de páginas e do material que é feito, um livro pode ser pesado e/ou grande. Isso pode dificultar carregá-lo em sua bolsa ou mochila e, em alguns casos, os volumes podem ser tão grandes que chegam a ser incômodos de segurar para ler;
  2. Volume: nem sempre temos espaço para a estante com a qual sonhamos. Quem lê bastante pode ter problemas para conseguir armazenar todos os seus livros. E, por experiência própria, sei que eles dão um trabalhão em casos de mudança de casa, já que são pesados e ocupam muito espaço;
  3. Impacto ambiental: por mais que amemos os livros impressos, o fato é que se utiliza muito papel em sua produção, além de todo o processo de produção e logística que consome outros materiais e recursos;
  4. Preço: em geral, o livro físico é mais caro do que o digital. Claro, seu custo de produção e distribuição é maior, e isso acaba se refletindo no valor final da obra.

            A leitura do livro impresso está muito relacionada com sua experiência sensorial e física e, como vimos, isso possui aspectos positivos e negativos. Já o e-book proporciona um outro tipo de experiência, mesmo que você leia a mesma obra.

Leitor digital Kindle, da Amazon.

A seguir, listei as principais vantagens e diferenciais de ler usando um e-reader como o Kindle, da Amazon:

  1. Economia de Espaço: o Kindle, por exemplo, possui uma capacidade até de armazenamento de 8GB, o que equivale a milhares de livros digitais, e é bem provável que você se veja sem espaço. Assim, você agrupa muitos títulos em um único e compacto aparelho.
  2. Peso: o dispositivo e-reader é muito leve, pesando entre 170 e 220 gramas, por isso, é muito mais prático de transportar do que um livro físico, tornando a leitura mais confortável;
  3. Ajustes: o dispositivo permite que você ajuste o brilho da tela e tamanho da fonte, de forma que a leitura fique mais confortável. O Kindle possui oito opções de tamanho de letra, três tipos de fontes diferentes e adapta também o espaçamento entre as linhas. Assim, é possível escolher a configuração que mais lhe agrade na hora da leitura;
  4. Luz: para ler um e-book, você não precisa estar num ambiente iluminado, já que a luz vem do próprio dispositivo, como é o caso do modelo Kindle Paperwhite. A tela é opaca, então não cansa a vista, como um computador ou a tela do celular – ainda assim, não sou fã de ler no escuro;
  5. Preço: cópias digitais são mais baratas para serem produzidas e não precisam de transporte, exportação ou qualquer gasto adicional. Por esse motivo, os livros para Kindle são consideravelmente mais baratos, sendo possível encontrar mesmo muitos livros gratuitos;
  6. Concentração: o Kindle é diferente de outros aparelhos eletrônicos, como o celular e o computador. Sua interface é simples, feita especialmente para a leitura e não possui acesso a redes sociais ou notificações. É claro que você pode ler no seu smartphone, difícil é se concentrar;
  7. Rapidez: assim que você efetua o pagamento, o livro já está disponível em sua conta. Não há a necessidade de esperar a encomenda chegar e, melhor ainda, não há custos de frete;
  8. Variedade: devido ao baixo custo e a capacidade de armazenamento, quem se adapta ao e-reader acaba podendo comprar e consumir uma maior variedade de livros, uma vez em que não precisa se preocupar com o espaço que os volumes ocupariam em sua estante;
  9. Interatividade: apesar de não poder folhear o livro, lendo um e-book você tem recursos como o tempo estimado para a leitura (do livro e do capítulo), além da porcentagem já lida. Além disso, pode grifar e adicionar anotações ao seu livro sem o danificar. O Kindle memoriza automaticamente a última página lida, então não é preciso se preocupar em “marcar a página”.
  10. Conforto: no geral, o e-reader proporciona uma leitura bastante confortável, já que você pode ajustar a luz, brilho e tamanho da fonte, além de ser bem levinho.

Apesar de ser muito bom, o leitor digital também traz algumas desvantagens. As principais são:

  1. Não tem como colecionar: é verdade que você tem um acervo digital em sua conta da Amazon, mas como todos os livros se concentram no mesmo aparelho, você não pode colecionar e exibir suas obras, da maneira como faz em uma estante;
  2. Conectividade: requer conexão Wi-Fi para fazer o download dos livros. Você não precisa estar conectado o tempo todo, mas não se esqueça de baixar o livro que deseja ler antes de sair de casa;
  3. Bateria: como se trata de um dispositivo eletrônico, é preciso recarregar a bateria. Os e-readers usualmente tem uma bateria que dura vários dias em uso constante, mas, ainda assim, o objeto precisa ser alimentado de tempos em e tempos;
  4. Ausência de cores: o Kindle não possui cores, então a capa do livro, bem como qualquer imagem que possua em seu interior, são exibidas em tons de preto e branco, isso pode prejudicar a experiência da leitura, a depender do livro;
  5. Não tem como emprestar: a menos que você empreste o aparelho, não é fácil emprestar títulos virtuais como fazemos com livros impressos;
  6. Restrição de opções: apesar da variedade de títulos disponíveis na loja kindle, alguns livros ainda são comercializados somente no meio físico, especialmente obras ou edições mais antigas, ou seja, ter um e-reader não substitui completamente o consumo de livros;
  7. Custo do aparelho: apesar de saber que os e-books são mais baratos que os livros físicos, você precisa considerar o investimento inicial que é a compra do aparelho Kindle.

Também acho importante esclarecer que não é essencial comprar um Kindle para ler e-books. Você pode lê-los em seu celular, computador ou tablet, basta baixar o aplicativo do Kindle. Eu, inclusive, comecei assim, para testar a leitura digital antes de investir no aparelho. O diferencial do aparelho é a leveza e facilidade para a leitura, ele é muito mais confortável do que as outras telas.

A conclusão de tudo isso é que ambos os formatos são interessantes. Apesar do livro ser o mesmo, a experiência de leitura muda de acordo com o meio escolhido. Não tenho a pretensão de te indicar um melhor formato ou o ideal. Tudo depende de seu uso e intenções.

Para finalizar, vou contar um pouquinho da minha trajetória. Tenho quatro estantes abarrotadas de livros, e assim cheguei num impasse: ou paro de comprar livros ou preciso me mudar. Como paulistana, sei que me mudar para um espaço maior não é uma opção; e como leitora, jamais pararia de comprar livros! Então, a solução que encontrei foi investir no dispositivo, comprei o Kindle Paperwhite 8ª geração.

Vi no e-reader a chance de economizar dinheiro e espaço. Comecei comprando livros teóricos na versão digital, mas logo parti para a literatura. Hoje, compro a versão física apenas de livros que gosto ou quero muito ter em minha coleção. Penso muito bem antes de ocupar mais um pedacinho da estante, já que o espaço está acabando. Comigo tem funcionado, aprendi a transitar entre as leituras, às vezes revezo para não me cansar do formato.

Antes de decidir se você investe na compra do Kindle ou não, sugiro que você pense em seus gostos e necessidades, assim saberá se ele se adequa a você ou não. Mas, em geral, a melhor alternativa é variar entre os formatos. O mais importante continua sendo apreciar boas leituras.