Publicado em Artigos, Textos

Ressaca literária: o que é e como você pode sair dela

Já aconteceu de você terminar de ler um livro e não conseguir começar outra leitura? Seja por falta de vontade de embarcar em uma nova história ou por não conseguir se envolver na trama, o fato é que às vezes precisamos de um tempo.

E vou te contar um segredo: talvez você esteja sofrendo de ressaca literária.

Ressaca literária é um termo carinhosamente criado pelos leitores para definir aquele período entre livros quando você simplesmente não consegue ler. Geralmente, acontece depois de uma leitura incrível que te marca tanto que, quando termina, te faz perder o interesse em qualquer outra coisa – já que parece impossível superá-la.

Nesse período de hiato, nos sentimos tristes e alegres ao mesmo tempo, por ter terminado uma história tão boa, que nos cativou ou destruiu o coração (sem julgar preferências, rs). Isso gera um desânimo de entrar em outro universo literário, porque você ainda está profundamente imerso no anterior.

Outra possibilidade é que a ressaca aconteça após a leitura de uma obra muito cansativa, monótona ou extensa – a ponto de te fazer desistir e querer dar um tempo das leituras.

Alguns sinais de que você pode estar vivendo uma ressaca literária são:

  • Você ainda se sente muito conectado com os personagens da história;
  • Você pensa muito a respeito do universo criado pelo autor e, convenhamos, adoraria continuar vivendo nele;
  • Você está com o livro sempre por perto, faz anotações, lê e relê suas citações ou trechos favoritos;
  • Você já tentou se esforçar para começar um livro novo, mas fez muitas comparações e sente que não é  a mesma coisa. 

Os sintomas mais comuns são o desinteresse em começar novos livros, dificuldade para se concentrar, ou até sentir-se saturado do mundo da literatura. Mas pode ficar tranquilo, essa condição é normal e uma hora atinge a todos nós leitores.

A sensação que dá é a de que nunca mais encontraremos um livro tão bom ou uma história que nos prenda tanto.

A boa notícia é que a ressaca literária pode ser superada e o hábito da leitura retomado.

O primeiro passo para sair de uma ressaca é entender o motivo que te fez entrar nela. Pode ser que a vida esteja corrida e o cansaço é tanto que no seu tempo livre você só quer descansar e se distrair com coisas mais simples. Neste caso, respeite o seu tempo e não deixe a ansiedade dominar – colocar pressão em cima das leituras não ajuda em nada.

A seguir, separei algumas dicas valiosas para te ajudar a voltar a ler com regularidade:

  1. Converse com alguém sobre o livro: pode ser que você ainda esteja muito imerso na história de sua última leitura e, nesse caso, conversar com alguém sobre a trama pode ajudar. Pode ser uma pessoa que já leu o livro, se você conhecer alguém, ou então qualquer outra pessoa, pois falar sobre a história e fazer uma indicação irá te ajudar a entender o que te impactou tanto;
  2. Releia um livro: todo mundo tem seus queridinhos. Reler um livro é entrar em contato com uma história já conhecida, e isso pode ser aconchegante e trazer boas memórias. Assim, você não perde o ritmo e consegue, aos poucos, se desligar da narrativa que está te prendendo. Eu gosto tanto desse tema que escrevi um artigo inteiro sobre a experiência de reler livros, confira aqui;
  3. Leia contos: talvez se prender a uma nova trama e a novos personagens seja esforço demais neste momento. E é justamente por isso que os contos são uma ótima opção! Geralmente são curtos, fáceis de ler e tem uma alta capacidade de nos tirar da ressaca. E aproveito para fazer uma indicação bem pessoal aqui, meu conto “Malditos Morangos”, disponível na Amazon;
  4. Leia livros fáceis: se suas habilidades de leitura estão meio enferrujadas, procure livros leves, rápidos e fáceis de ler. A ressaca traz aquela sensação de fadiga, de leitura que não flui. Por isso, não hesite em investir em clichês ou leituras rápidas. Elas ajudam a destravar e então você pode seguir em frente;
  5. Não tenha medo de abandonar um livro: às vezes o problema não está no seu ritmo de leitura, e sim na obra escolhida. Por isso, se você sente que a leitura não está avançando, não se obrigue a ler até o final. A leitura precisa ser prazerosa, e se o livro não está te acrescentando nada, talvez ele não seja para você – pelo menos não neste momento. Por isso, desistir não é só uma possibilidade, como pode ser a solução para retomar as leituras;
  6. Experimente mudar de gênero: talvez você esteja consumindo o mesmo gênero, autor ou formato de livro há muito tempo e a sensação de estar estagnado pode vir daí. Experimente alternar gêneros e até ler algo completamente novo. Explore os livros e talvez você descubra algo que combine melhor com o momento atual da sua vida;
  7. Tente ler mais de um livro ao mesmo tempo: alternar entre formatos e estilos também ajuda a destravar a leitura. Se uma obra estiver muito densa, você pode intercalar com uma leitura leve e fluída. Eu, por exemplo, gosto de alternar sempre entre um livro de ficção e um tema de estudos do meu interesse. Conto tudo sobre isso aqui;
  8. Dê um tempo: e às vezes não adianta insistir. Você deve respeitar o seu tempo e procurar outras mídias e formatos de conteúdo para se entreter. Explore os catálogos de séries e filmes e se permita explorar novas possibilidades, até que em algum momento você encontrará o livro certo e a vontade de ler voltará de forma natural.

A verdade é que ler é igual a andar de bicicleta: a gente aprende na prática e não esquece mais. Para conquistar o hábito da leitura, você precisa encaixar os livros em sua rotina, de forma prazerosa. Se quiser saber mais sobre como criar e manter esse hábito, recomendo a leitura deste artigo, que segue sendo um dos mais acessados aqui no blog.

Respeite o seu tempo e se permita sentir a ressaca literária. Aos poucos, as coisas voltam a se encaixar e um livro cativante surgirá em seu caminho. Aproveite-o até a próxima ressaca 😉

Publicado em Artigos, Textos

Ler mais de um livro ao mesmo tempo: descubra os benefícios e mais 7 dicas para aproveitar a leitura

Ler mais de um livro ao mesmo tempo é uma prática comum entre os leitores assíduos. Mas pode ser uma novidade desafiadora para quem está tentando adquirir o hábito da leitura.

Estudos revelam que a leitura não traz benefícios apenas para o momento presente, mas ajuda também a proteger o cérebro contra o surgimento de doenças neurodegenerativas – como a demência e o Alzheimer.

O hábito de ler mais de uma obra simultaneamente também contribui muito com a atividade mental, uma vez que estimula o cérebro a lembrar de mais coisas e abre espaço para mais memórias, além de aguçar a concentração.

O hábito da leitura no Brasil

Apesar de existirem hoje comunidades de leitores dominando espaços digitais e divulgando uma série de obras – literárias e de não ficção –, o panorama geral do nosso país não é tão animador.

Segundo dados de uma pesquisa realizada pelo Instituto Pró-Livro (IPL) em 2019,  o número de leitores no país caiu de 56% para 52%, totalizando 4,6 milhões de pessoas. Essa pesquisa considera como leitor toda pessoa que leu pelo menos um livro (inteiro ou em partes) nos últimos três meses antes da aplicação da entrevista.

Os dados apontam que o brasileiro lê, em média, cinco livros por ano — mas apenas dois e meio completos.

Diante deste cenário, surge a urgência de conscientizar mais pessoas sobre a importância da leitura e incentivar o hábito.

Ler mais de um livro ao mesmo tempo é uma forma de aprender, se entreter e reforçar a criação de uma rotina que inclua mais livros, cultura e vocabulário.

Vale a pena ler mais de um livro ao mesmo tempo?

Quem me conhece sabe que eu não saio de casa sem ter ao menos um livro em minha companhia – não raro, você encontra mais do que um exemplar em minha bolsa. Tenho desde muito cedo o costume de ler como forma de aproveitar o tempo em intervalos como filas e salas de espera.

Desde que entrei na faculdade, esse hábito cresceu muito e comecei a conciliar leituras simultâneas para poder ler os materiais que os professores recomendavam sem abandonar a literatura, que é tão importante para o meu lazer e descanso.

E hoje eu vim dividir com vocês as 10 principais vantagens que eu percebo nesse hábito:

  1. Melhora a memória e a capacidade de reter informações: ao ler sobre mais de um assunto, você estimula seu cérebro a absorver mais informações, reter memórias e também a fazer mais associações entre os livros, ou seja, contribui para o desenvolvimento de pensamento crítico;
  2. Alternância entre temas: às vezes uma leitura pode ser densa e cansativa e, por isso, variar livros com diferentes temas e níveis de dificuldade é uma boa maneira de não abandonar os livros e se manter firme na leitura. Se um dos livros cansar e você precisar fazer uma pausa, outro estará à sua espera;
  3. Melhora o foco e a concentração: por estar trabalhando com mais informações e retendo um número maior de memórias, você treina a habilidade de se focar em cada assunto, e isso passa a se refletir em outras áreas da sua vida;
  4. Aprender sobre diferentes temas: somos seres plurais e temos diversos interesses. Se você se organizar, pode estudar sobre assuntos diferentes em paralelo e aprender sobre mais de um tema ao mesmo tempo;
  5. Expansão de vocabulário: ler mais de um livro te mostra diferentes formas de contar histórias e, ao entrar em contato com diferentes estilos de escrita, você adquire mais vocabulário e aumenta seu repertório cultural;
  6. Estimula a criatividade: a variedade de histórias fictícias e/ou temas de interesse, expande nossos horizontes e conhecimentos, nos tornando pessoas de pensamento mais ágil e criativo;
  7. Mescla estudos com lazer: se você precisa estudar e tem um compromisso, é comum que se foque nesse aprendizado. Porém, é possível encaixar livros mais leves na rotina como forma de descansar dos assuntos teóricos e ter um momento de lazer – lendo um livro de literatura ou poesia, por exemplo;
  8. Distribui o peso dos livros: pode ser que você queira ler um romance de quase mil páginas, ou esteja lendo um livro de referências enorme e pesado. Se você não quiser carregar esses calhamaços por aí, pode alterná-lo com um livro mais curto e leve. Deixando os livros maiores em casa, você torna a experiência da leitura mais confortável, e este pode ser um incentivo para não perder o ritmo; 
  9. Aumenta o volume de leituras: lendo mais de um livro ao mesmo tempo, você amplia a variedade de temas estudados e também tem a oportunidade de aumentar o número de livros lidos, uma vez que as leituras começam a fluir melhor e mais rápido com o tempo;
  10. Satisfação pessoal: se sua meta é ler mais livros, parabéns! Conquistar o hábito da leitura nos dá a sensação de que estamos aproveitando o tempo com temas prazerosos e que agregam valor para a vida – pessoal e profissional. 

Como vimos, existem muitas vantagens em organizar suas leituras e aproveitar o tempo para ler mais livros. Mas aqui vai um alerta: é preciso ter cuidado para não se atrapalhar no início do processo e nem perder a motivação. Entre as maiores dificuldade de quem está começando estão:

  1. Você pode se confundir: para algumas pessoas, lembrar de dois enredos, diferentes temas ou personagens de uma vez pode ser demais. É possível que você se sinta perdido e confunda as narrativas uma com a outra, estragando a experiência de ambas as leituras;
  2. Perder o foco: algumas pessoas começam a ler diversos livros, mas não terminam nenhum. Quando o foco muda muito rápido, pode ser difícil se demorar em uma história. Por isso é importante selecionar cada leitura e assumir um compromisso com os livros. Começar muitas leituras pode realmente ser pouco proveitoso;
  3. Preferir apenas as leituras fáceis: especialmente quando você divide seu tempo entre uma leitura por lazer e um estudo, pode ser uma tentação ler apenas o livro mais leve e prazeroso – é preciso encontrar um equilíbrio.

Como várias partes do nosso cérebro são ativadas durante a leitura, ao ler mais de um livro ao mesmo tempo, estamos fazendo-o trabalhar com mais intensidade e exercitando nosso potencial cognitivo. Isso já faz valer o desafio de dar uma chance para as leituras simultâneas!

7 dicas para aproveitar melhor a leitura

Se você está começando agora, se liga nessas dicas para aproveitar melhor as leituras e organizar os diferentes livros:

  1. Misture gêneros literários e/ou teóricos: para não se confundir, você pode optar por ler livros de diferentes gêneros. Por exemplo, pode ler um livro de ficção e um de poesias; ou então um livro de ficção e um livro teórico de sua área de estudos. Como os temas não se relacionam, você cria dois momentos distintos de leitura e absorve melhor o conteúdo de cada um;
  2. Não fique muito tempo sem retomar o livro: se você deixar passar muito tempo, a chance de esquecer parte da história ou do contexto é maior. Isso pode te levar ao abandono da leitura, ou à necessidade de retomar uma parte já lida, prejudicando a experiência com o livro;
  3. Faça anotações: especialmente quando for estudar sobre um tema teórico, você pode fazer anotações em um caderno ou arquivo do seu computador para revisitar os principais tópicos no futuro. Essa técnica também contribui com a retenção de informação pela mente, além de criar um material de consulta e referências;
  4. Você também pode variar o formato: hoje em dia temos livros físicos, livros digitais e audiobooks como opções. Por isso, você pode escolher um tema diferente para cada formato e criar momentos no seu dia para consumir cada um deles. Por exemplo, pode ler um exemplar físico em casa e ouvir um audiobook a caminho do trabalho ou enquanto malha na academia. Os leitores digitais também são boas opções para levar como acompanhante na rua, devido à sua praticidade e leveza;
  5. Estabeleça uma rotina: crie horários ao longo do seu dia para ler. Se você não estabelecer um compromisso consigo mesmo, dificilmente conseguirá incluir o hábito da leitura em seu dia a dia. Para saber mais sobre como criar um hábito, recomendo a leitura deste artigo aqui no blog;
  6. Leia cada livro em um horário diferente: se você emendar as leituras, seu cérebro pode não conseguir trocar de contexto com tanta agilidade e isso tornará a experiência cansativa e confusa. Por isso, o ideal é encontrar um momento diferente do dia para cada livro;
  7. Defina o objetivo de cada leitura: para organizar suas leituras e horários, pense sobre o objetivo de cada livro lido e, assim, sempre terá o livro adequado em mãos. Uma leitura leve e descontraída é perfeita para salas de espera, por exemplo. Já um livro de estudos requer um ambiente silencioso e maior concentração.

Minha experiência pessoal de leitura sempre foi muito positiva, sinto que consigo ler mais e, desta forma, aproveito melhor meu tempo para explorar os diversos temas que são do meu interesse. Por isso, recomendo que você separe alguns livros e dê uma chance para a leitura simultânea.

Me conta aqui nos comentários como é essa experiência pra você: você já leu ou tem o hábito de ler mais de um livro ao mesmo tempo? Quais são os desafios que encontra em sua rotina? Vou adorar bater um papo sobre as nossas leituras ❤

Publicado em Artigos, Textos

Leitura e empatia

Você que me acompanha por aqui sabe que sou apaixonada por literatura e vivo defendendo os livros e o hábito da leitura, não é mesmo?

Isso porque não importa o estilo de livros que você goste de ler, pode estar certo de que reservar um tempinho para a leitura em sua rotina só trará benefícios. Separei alguns deles aqui:

  • Enriquece o vocabulário;
  • Ajuda a desenvolver a habilidade de comunicação, pois quanto mais você ler, mais facilidade tem para escrever e se expressar;
  • Oferece visões de mundo e pontos de vista diferentes, funcionando como uma excelente expansão de consciência;
  • Ensina coisas novas;
  • Desperta a curiosidade e dá vontade de ler ainda mais;
  • Estimula a capacidade imaginativa e é um alimento para a criatividade;
  • Aumenta o repertório cultural;
  • Auxilia na capacidade de entender e interpretar fatos e dados;
  • Apresenta novas possibilidades e realidades;
  • Oferece a chance de conhecer outros mundos sem precisar sair do lugar.

O poder da literatura

A literatura é a arte das palavras, que pode ou não ser baseada em fatos reais. Por meio dela, os autores criam narrativas que imitam a realidade e, mais do que isso, vão além. Existem autores com uma incrível capacidade imaginativa que nos presenteiam com universos inteiros saídos de suas mentes. 

Ao ler uma história, nós mergulhamos de cabeça no mundo dos personagens. A depender do tipo de narração, podemos saber tudo o que acontece à volta dos protagonistas, ou então conhecer até mesmo seus pensamentos mais íntimos.

Acompanhar as experiências destes personagens nos permite experimentar novas possibilidades e conhecer uma realidade diferente da nossa.

O que eu quero dizer é que as histórias têm a capacidade de nos emocionar e nos ensinar. Criamos vínculos com aqueles personagens que nos identificamos, vibramos por suas conquistas e podemos até sentir reações de raiva perante seus antagonistas.

Essas emoções nos revelam como a literatura tem a capacidade de mexer com as nossas emoções e que, dessa forma, podemos aprender com ela. Lendo um livro, você pode repensar uma situação passada e tem a chance de ressignificar um acontecimento de sua própria história.

O olhar distanciado para uma história que não é a sua, apesar de semelhante, pode te ajudar a ter uma nova perspectivas sobre suas vivências. E é aí que a mágica acontece!

Leitura e Empatia

Quando lemos uma obra de ficção, nos tornamos aptos a compreender as pessoas e suas intenções. É isso mesmo: nós conseguimos aprender com os personagens ao explorar como os acontecimentos de suas vidas se desdobram.

Estudos comprovam que ler ficção pode aumentar nossa capacidade de sentir empatia por outras pessoas. O que acontece é que o leitor tem a oportunidade de formar ideias sobre as emoções, motivações e pensamentos dos outros personagens. E, a partir daí, transferir esse conhecimento e sensibilidade para sua vida real.

O psicólogo e romancista Keith Oatley, explica que quem lê ficção pode ampliar sua experiência social, e isso ajuda a entender as relações à sua volta.

A oportunidade de criar empatia com a história pessoal de alguém e conhecer sua vida íntima — mesmo que seja de um personagem fictício — melhora nossa compreensão sobre o mundo. Isso quer dizer que nós podemos conhecer mais sobre as nossas emoções e relações ao explorar a vida afetiva dos personagens que encontramos nos livros.

A empatia também aumenta do fato de conseguirmos compreender melhor que é normal que as pessoas tenham opiniões e visões de mundo diferentes da nossa.

Então, se você já se sentiu emocionado ou emocionada ao ler um livro, comemorou a vitória de um personagem como se fosse sua ou já teve vontade de se mudar para o mundo que encontrou dentro de um livro, fique sabendo que isso acontece porque os livros têm um forte impacto emocional sobre nós.

Quando embarcamos em uma leitura, tendemos a tratar as experiências ali narradas como se elas fossem reais. Enquanto você lê e absorve as palavras daquela história, ela realmente existe e se passa em sua mente.

Para exercitar sua capacidade empática por meio da literatura, você precisa de duas coisas:

  1. Frequência: não se constrói inteligência emocional de um dia para o outro. Transformar a leitura em um hábito é o que te ajudará a treinar sua percepção e ficar mais atento às emoções — suas, dos personagens e das pessoas à sua volta;
  2. Interesse: é claro que, para que essa imersão aconteça, você precisa realmente gostar da história e se sentir conectado a ela. Infelizmente não é qualquer livro que tem o poder de nos transportar para outros mundos. Por isso, é importante encontrar o seu tipo de leitura — e aqui não tem julgamento sobre o que é melhor ou pior, certo ou errado — literatura boa é aquela que você gosta e que te envolve tanto que até te faz perder a noção do tempo!

Cada livro é uma nova chance de conhecer um universo completamente novo e de enxergar a vida através de outro olhar.

Quando uma história nos toca e nos conectamos com ela, aproveitamos essa visão privilegiada e algo dentro de nós muda. É possível sentir seu impacto em nossa vida mesmo depois de terminar a leitura.

Por isso, acredito que uma estante diz muito sobre o seu dono. Afinal, ali estão os livros que ajudaram a moldar sua forma de pensar, se abrir para sentimentos e se tornar a pessoa que é hoje.

Clique aqui para conferir uma série de dicas que vão te ajudar a conquistar de vez o hábito da leitura. E acompanhe o blog para não perder as postagens, aqui sempre tem lugar pra gente enaltecer a literatura e os livros ❤.

Publicado em Artigos, Textos

Vale a pena reler livros?

Começo o texto de hoje com uma pergunta polêmica: Você relê livros? Por qual motivo?

Eu realmente acho que a vida é muito curta para ler todos os livros que que desejo conhecer. Sei que algumas pessoas veem a releitura de obras como um “desperdício de tempo”. Afinal, para que reler os mesmos livros, se ainda há tantos novos para descobrir?

Mas eu te garanto que há bons motivos para revisitar um livro. Além de tipos diferentes de leituras, que também geram experiências diversas.

Se você quiser entender melhor do que eu estou falando, siga a leitura até o final para descobrir algumas das experiências que uma releitura pode te proporcionar e, de quebra, receber algumas dicas sobre boas oportunidades para dar uma segunda chance a um livro da sua estante.

Vamos nessa?

Tipos de Livros

Em primeiro lugar, você precisa ter uma razão que te motive a voltar a um livro, concorda? Isso dependerá de acordo com o tipo de livro. Vejamos alguns exemplos:

  • Livros Teóricos: podemos estudar um mesmo tema em diferentes momentos de nossas carreiras. Além disso, uma releitura também pode ajudar a assimilar melhor alguns conceitos, caso você esteja lidando com muitas informações. O interessante é que cada experiência pode ser muito particular, uma vez que a cada leitura carregamos uma bagagem maior de conhecimentos. Você pode reler o livro todo, alguns trechos, ou então as anotações que fez ao longo da primeira leitura. Livros teóricos são um excelente material de estudo e, por isso, devem ser lidos sempre que necessário;
  • Livros de Consulta: esses talvez não configurem uma releitura propriamente dita. Mas são aqueles livros que servem para tirar dúvidas – podem ter os principais conceitos de uma área, modelos, citações, exemplos, dicas ou sugestões. É o famoso “livro de cabeceira”, ao qual você pode retornar sempre que tiver uma dúvida ou curiosidade. A ideia não é reler o livro inteiro, mas procurar exatamente aquilo que te interessa em determinado momento. Em resumo, são livros que devem ficar à disposição para eventuais consultas;
  • Biografias: se você admira uma celebridade, político ou qualquer personalidade, pode se interessar por consumir sua biografia. Porém, esse tipo de leitura pode ser densa para ser feita toda de uma vez. Por isso, assim como nos livros de consulta, você pode retornar às biografias sempre que desejar, caso queira se lembrar de um evento em especial, de uma citação, ou passagem marcante. O maior objetivo ao ler uma biografia é se inspirar, então é esperado que isso aconteça mais de uma vez;
  • Livros de Ficção: a literatura pode ser uma grande companheira ao longo da vida. Por meio da ficção, temos a oportunidade de viajar para diferentes mundos e realidades, mesmo sem sair do lugar. Mesmo sem um objetivo formal, um livro pode ser relido simplesmente porque você deseja ter um novo encontro com ele. Você pode querer reviver uma experiência ou então dar uma nova chance a uma história. É sobre isso que falaremos nos próximos tópicos.

7 Motivos para reler um Livro

Em geral, quando você pergunta a alguém o motivo dessa pessoa querer reler um livro, a resposta é simples: porque gosto dele! Quando criamos uma conexão com uma história, podemos sentir o desejo de reviver a experiência. Mas os motivos podem ir muito além disso. Confira!

  1. Para matar a saudade: é o motivo número um mesmo. Quando gostamos de uma história e de seus personagens, a experiência de retornar ao livro pode ser muito satisfatória. Aquela nostalgia gostosa, sabe? Uma sensação de familiaridade. Por isso, não hesite em revisitar seus velhos amigos;
  2. Melhor compreensão: seja um livro teórico ou ficcional, o fato é que algumas obras podem ser bastante densas, e talvez não dê para absorver tudo em uma única leitura. Por isso, você pode voltar em busca de alguns detalhes ou mesmo do pacote completo, tentando assimilar melhor o conteúdo. Uma segunda leitura pode te ajudar a compreender melhor as ideias do autor;
  3. Apreciar a obra: algumas obras são tão boas – seja na construção da narrativa, nos conceitos apresentados, ou mesmo nas frases bonitas e memoráveis – que você pode querer retornar por puro prazer, e não tem problema nenhum nisso;
  4. Resgatar conceitos: lembra que falamos sobre os livros de consulta? Um dos motivos para retornar a uma leitura pode ser a vontade de relembrar um conceito ou frase. Uma segunda leitura te permite achar os pontos chave com mais facilidade, então volte ao texto sempre que necessário;
  5. Absorver detalhes: alguns livros têm uma narrativa tão rica e detalhada que, por mais façamos uma leitura atenta, é difícil absorver todos os detalhes. Por isso, você pode retornar a ele depois de conhecer a trama central e, assim, conseguirá prestar atenção a sutilezas que tenham escapado em seu primeiro contato com a obra;
  6. Ler a história sob outro ponto de vista: após algum tempo e com uma nova bagagem, podemos ter um outro olhar sobre a mesma obra. Ler um mesmo livro no primeiro e no último ano da faculdade, por exemplo, podem proporcionar experiências completamente diferentes. O mesmo vale para um livro lido na adolescência e relido na vida adulta. Recomendo fortemente a experiência;
  7. Dar uma segunda chance: simples assim. Sabe aquele livro que você tentou ler e não gostou? Mas todas as pessoas parecem falar bem dele e você se pergunta o motivo de não ter se conectado com ele… Talvez você possa experimentá-lo novamente depois de algum tempo. Por mais que o livro permaneça o mesmo, você com certeza já mudou.

Tipos de Releitura

Ler um livro pela primeira vez é como abrir uma janela: você ainda não sabe o que vai encontrar do outro lado, mas há todo um mundo te esperando do outro lado. Você pode ter um vislumbre inicial da história, mas é aos poucos que uma imagem vai se formando à sua frente. Nesse sentido, uma segunda leitura pode oferecer uma experiência diferente. Como você já sabe o que vai acontecer, está mais confortável para prestar atenção e absorver detalhes. Desta vez, por não estar tocado pela curiosidade, pode fazer uma leitura mais crítica e reflexiva.

O fato é que a maneira como interpretamos um livro tem muito a ver com o nosso momento presente. A cada leitura, você será influenciado pelo conjunto de sentimentos, conceitos e opiniões que fizerem parte de seu cotidiano.

E é justamente essa a mágica do reencontro com uma obra!

Segundo o dicionário, “releitura” é a ação de interpretar novamente alguma coisa, acrescentando algo novo e original. E é exatamente isso o que fazemos ao nos depararmos com novos sentidos ao ler as mesmas páginas mais uma vez.

Eu acredito que existem dois tipos de releituras. Às vezes, reler um livro é como reencontrar um velho amigo e descobrir que algumas coisas nunca mudam. É encontrar conforto, voltar para um lugar conhecido. Da mesma forma que nos deliciamos com séries ou filmes que já memorizamos até as falas. Me refiro aqui àquelas leituras íntimas, acompanhadas de bastante nostalgia.

Por outro lado, às vezes nos deparamos com uma mesma obra em diferentes momentos da vida, e a cada leitura é possível ter uma percepção diferente, afinal, carregamos nossa própria história e bagagem de experiências, e estamos em constante mudança.

Então, é possível que um livro que você tenha gostado uma vez possa não te agradar em uma releitura. E, ao contrário, um livro que não tenha agradado no início, pode ser uma boa surpresa na segunda tentativa, mudando completamente sua opinião sobre ele.

Oportunidades para reler um livro

Se você fica naquele impasse entre ler um livro novo ou reler um já conhecido, se liga nessas dicas de momentos que podem ser boas oportunidades de embarcar em uma releitura:

  • Aprendizado: quando você precisa estudar e aprender – ou reaprender – um conceito, e decide recorrer às referências de sua área;
  • Lançamento de novas edições: se você for um colecionador de livros como eu, ocasionalmente deve se encantar com o lançamento de uma nova edição de uma obra já conhecida. Acertei? Quando comprar um livro repetido, pode aproveitar o momento para entrar em contato com a obra novamente, desta vez na nova edição;
  • Antes do lançamento de uma adaptação: sabe a alegria que dá quando um livro que a gente gosta vai receber uma adaptação nos cinemas ou então virar uma série? Antes de assistir a nova versão da obra, você pode querer se reencontrar com a original;
  • Antes do lançamento da continuação:  quem acompanha séries ou sagas, sabe que às vezes um novo volume pode demorar tanto para sair que a gente mal lembra em que ponto a história parou. Reler os volumes já lançados pode ser uma boa oportunidade de relembrar os detalhes e voltar para a familiaridade daquela história. Desta forma, com certeza o lançamento será mais bem aproveitado.
  • Ler em outro idioma: uma dica para quem está aprendendo outro idioma é ler um livro já conhecido. E essa é uma dica dois em um, você tem a oportunidade de retornar a uma história conhecida e pode ler no novo idioma algo que já conhece e tem familiaridade com o contexto;
  • Participar de um clube do livro: com as redes sociais, é cada vez mais comum ver leitores se reunindo para discutir suas obras favoritas. Isso deu força ao chamado “Clube do Livro” que, apesar de suas variações, consiste basicamente em um conjunto de pessoas que lê a mesma obra dentro de um prazo combinado e depois se reúne para compartilhar impressões e trocar experiências.

Chegamos a uma conclusão?

Não sei, essa resposta é muito pessoal. Então vou deixar que você me conte aqui nos comentários para continuarmos essa conversa.

É claro que nem todos os livros precisam ou devem ser relidos. Crie critérios para selecionar as obras que você deseja reler, de acordo com seus objetivos e suas vontades. Você não precisa se forçar a fazer uma leitura, especialmente se estiver lendo por lazer.

Eu acredito que vez ou outra precisamos retornar às bases, ou mesmo dar uma nova chance. O importante é o quanto uma releitura nos faz florescer, pois além do conteúdo absorvido, temos a oportunidade de nos reencontrarmos com nós mesmos, descobrindo o quanto mudamos entre uma leitura e outra.

Publicado em Artigos, Textos

Livro físico ou e-book: afinal, qual é a melhor opção?

Você já deve ter se perguntado – e talvez pesquisado – sobre qual é a melhor alternativa para a leitura: o bom e velho livro físico, ou o moderno e robusto leitor digital?

Eu começo este texto confessando que minha preferência ainda são os livros físicos. Como boa colecionadora, tenho uma estante repleta das mais diversas obras e gêneros literários. Porém, nos últimos anos a praticidade tem falado mais alto.

Desde que a Amazon, gigante na comercialização de livros, lançou seu próprio aparelho leitor de livros digitais, o Kindle, a disputa tem sido acirrada. Parece um sonho poder carregar milhares de exemplares em um aparelhinho que cabe na palma da mão, e o Kindle veio para revolucionar os hábitos de consumo e leitura de diversas pessoas.

Alguns leitores se posicionam como amantes fiéis do livro impresso, enquanto outros dizem que já não vivem mais sem seus dispositivos Kindle. Eu, como já disse, paguei a língua e acabei experimentando a leitura no formato digital. Apesar do meu amor pelos livros impressos, no ano passado, pela primeira vez, li mais obras no formato digital.

Como estou sempre postando sobre livros e comentando minhas leituras mais recentes, alguns amigos e pessoas da minha rede começaram a me ver como referência quando o assunto é leitura. Então, depois de notar que tantas pessoas tinham as mesmas dúvidas, resolvi escrever este artigo para expor minha visão sobre os prós e contras de cada um dos formatos.

Páginas de um livro.

Começando pelo Livro Físico, separei suas principais vantagens e desvantagens. As vantagens são:

  1. Relação Sensorial: o livro é um objeto, e tê-lo em mãos significa poder manuseá-lo e estabelecer uma relação com os diferentes sentidos. Você pode, por exemplo, apreciar a textura da capa e do papel, sentir o cheiro das páginas – mais alguém adora um cheirinho de livro novo por aí?;
  2. Explorar o livro: algo que eu gosto muito e sinto muita falta no leitor digital é poder explorar o livro antes de começar a leitura, além de dar uma espiadinha em outras páginas ocasionalmente. Na versão física, é possível ler a contra capa e orelhas do livro, ver quantas páginas o volume tem ou mesmo quanto falta para acabar um capítulo;
  3. Colecionar: o livro físico te permite criar o próprio acervo, algumas pessoas veem os livros como um item de coleção, ou mesmo de decoração. Além disso, existem algumas edições comemorativas e de luxo que são muito apreciadas pelos colecionadores;
  4. Não tem bateria: simples assim, você nunca vai precisar se preocupar em encontrar uma tomada ou interromper sua leitura por falta de bateria;
  5. Emprestar: a versão impressa de um livro permite rotatividade. Você pode emprestar, dar de presente, alugar em uma biblioteca, enfim, existem diferentes maneiras de compartilhar um livro.

Já as principais desvantagens são:

  1. Peso: a depender do número de páginas e do material que é feito, um livro pode ser pesado e/ou grande. Isso pode dificultar carregá-lo em sua bolsa ou mochila e, em alguns casos, os volumes podem ser tão grandes que chegam a ser incômodos de segurar para ler;
  2. Volume: nem sempre temos espaço para a estante com a qual sonhamos. Quem lê bastante pode ter problemas para conseguir armazenar todos os seus livros. E, por experiência própria, sei que eles dão um trabalhão em casos de mudança de casa, já que são pesados e ocupam muito espaço;
  3. Impacto ambiental: por mais que amemos os livros impressos, o fato é que se utiliza muito papel em sua produção, além de todo o processo de produção e logística que consome outros materiais e recursos;
  4. Preço: em geral, o livro físico é mais caro do que o digital. Claro, seu custo de produção e distribuição é maior, e isso acaba se refletindo no valor final da obra.

            A leitura do livro impresso está muito relacionada com sua experiência sensorial e física e, como vimos, isso possui aspectos positivos e negativos. Já o e-book proporciona um outro tipo de experiência, mesmo que você leia a mesma obra.

Leitor digital Kindle, da Amazon.

A seguir, listei as principais vantagens e diferenciais de ler usando um e-reader como o Kindle, da Amazon:

  1. Economia de Espaço: o Kindle, por exemplo, possui uma capacidade até de armazenamento de 8GB, o que equivale a milhares de livros digitais, e é bem provável que você se veja sem espaço. Assim, você agrupa muitos títulos em um único e compacto aparelho.
  2. Peso: o dispositivo e-reader é muito leve, pesando entre 170 e 220 gramas, por isso, é muito mais prático de transportar do que um livro físico, tornando a leitura mais confortável;
  3. Ajustes: o dispositivo permite que você ajuste o brilho da tela e tamanho da fonte, de forma que a leitura fique mais confortável. O Kindle possui oito opções de tamanho de letra, três tipos de fontes diferentes e adapta também o espaçamento entre as linhas. Assim, é possível escolher a configuração que mais lhe agrade na hora da leitura;
  4. Luz: para ler um e-book, você não precisa estar num ambiente iluminado, já que a luz vem do próprio dispositivo, como é o caso do modelo Kindle Paperwhite. A tela é opaca, então não cansa a vista, como um computador ou a tela do celular – ainda assim, não sou fã de ler no escuro;
  5. Preço: cópias digitais são mais baratas para serem produzidas e não precisam de transporte, exportação ou qualquer gasto adicional. Por esse motivo, os livros para Kindle são consideravelmente mais baratos, sendo possível encontrar mesmo muitos livros gratuitos;
  6. Concentração: o Kindle é diferente de outros aparelhos eletrônicos, como o celular e o computador. Sua interface é simples, feita especialmente para a leitura e não possui acesso a redes sociais ou notificações. É claro que você pode ler no seu smartphone, difícil é se concentrar;
  7. Rapidez: assim que você efetua o pagamento, o livro já está disponível em sua conta. Não há a necessidade de esperar a encomenda chegar e, melhor ainda, não há custos de frete;
  8. Variedade: devido ao baixo custo e a capacidade de armazenamento, quem se adapta ao e-reader acaba podendo comprar e consumir uma maior variedade de livros, uma vez em que não precisa se preocupar com o espaço que os volumes ocupariam em sua estante;
  9. Interatividade: apesar de não poder folhear o livro, lendo um e-book você tem recursos como o tempo estimado para a leitura (do livro e do capítulo), além da porcentagem já lida. Além disso, pode grifar e adicionar anotações ao seu livro sem o danificar. O Kindle memoriza automaticamente a última página lida, então não é preciso se preocupar em “marcar a página”.
  10. Conforto: no geral, o e-reader proporciona uma leitura bastante confortável, já que você pode ajustar a luz, brilho e tamanho da fonte, além de ser bem levinho.

Apesar de ser muito bom, o leitor digital também traz algumas desvantagens. As principais são:

  1. Não tem como colecionar: é verdade que você tem um acervo digital em sua conta da Amazon, mas como todos os livros se concentram no mesmo aparelho, você não pode colecionar e exibir suas obras, da maneira como faz em uma estante;
  2. Conectividade: requer conexão Wi-Fi para fazer o download dos livros. Você não precisa estar conectado o tempo todo, mas não se esqueça de baixar o livro que deseja ler antes de sair de casa;
  3. Bateria: como se trata de um dispositivo eletrônico, é preciso recarregar a bateria. Os e-readers usualmente tem uma bateria que dura vários dias em uso constante, mas, ainda assim, o objeto precisa ser alimentado de tempos em e tempos;
  4. Ausência de cores: o Kindle não possui cores, então a capa do livro, bem como qualquer imagem que possua em seu interior, são exibidas em tons de preto e branco, isso pode prejudicar a experiência da leitura, a depender do livro;
  5. Não tem como emprestar: a menos que você empreste o aparelho, não é fácil emprestar títulos virtuais como fazemos com livros impressos;
  6. Restrição de opções: apesar da variedade de títulos disponíveis na loja kindle, alguns livros ainda são comercializados somente no meio físico, especialmente obras ou edições mais antigas, ou seja, ter um e-reader não substitui completamente o consumo de livros;
  7. Custo do aparelho: apesar de saber que os e-books são mais baratos que os livros físicos, você precisa considerar o investimento inicial que é a compra do aparelho Kindle.

Também acho importante esclarecer que não é essencial comprar um Kindle para ler e-books. Você pode lê-los em seu celular, computador ou tablet, basta baixar o aplicativo do Kindle. Eu, inclusive, comecei assim, para testar a leitura digital antes de investir no aparelho. O diferencial do aparelho é a leveza e facilidade para a leitura, ele é muito mais confortável do que as outras telas.

A conclusão de tudo isso é que ambos os formatos são interessantes. Apesar do livro ser o mesmo, a experiência de leitura muda de acordo com o meio escolhido. Não tenho a pretensão de te indicar um melhor formato ou o ideal. Tudo depende de seu uso e intenções.

Para finalizar, vou contar um pouquinho da minha trajetória. Tenho quatro estantes abarrotadas de livros, e assim cheguei num impasse: ou paro de comprar livros ou preciso me mudar. Como paulistana, sei que me mudar para um espaço maior não é uma opção; e como leitora, jamais pararia de comprar livros! Então, a solução que encontrei foi investir no dispositivo, comprei o Kindle Paperwhite 8ª geração.

Vi no e-reader a chance de economizar dinheiro e espaço. Comecei comprando livros teóricos na versão digital, mas logo parti para a literatura. Hoje, compro a versão física apenas de livros que gosto ou quero muito ter em minha coleção. Penso muito bem antes de ocupar mais um pedacinho da estante, já que o espaço está acabando. Comigo tem funcionado, aprendi a transitar entre as leituras, às vezes revezo para não me cansar do formato.

Antes de decidir se você investe na compra do Kindle ou não, sugiro que você pense em seus gostos e necessidades, assim saberá se ele se adequa a você ou não. Mas, em geral, a melhor alternativa é variar entre os formatos. O mais importante continua sendo apreciar boas leituras.