Publicado em Textos, Textos-livre

Tempo

Quanto tempo cabe em dois anos? 

Faz pouco mais de dois anos que nos confinamos em nossas casas para nos protegermos da pandemia. E, falando por mim, até hoje ainda passo muito tempo olhando para as paredes da minha sala. Os jornais e comerciais alegam que a vida voltou ao normal, o “novo normal” – como gostam de chamar – , mas os números de casos nos contam outra história: a pandemia ainda está aí.

Para além do risco da contaminação, o que anda me afligindo é a quantidade de tempo que se passou desde março de 2020. 

Eu adotei um cachorro, comecei uma nova carreira e devo ter mudado toda a minha rotina pelo menos umas três vezes. 

As coisas foram acontecendo dentro de nossas casas, afinal, as demandas não pararam. Mantivemos contato pessoal com algumas poucas pessoas e estendemos nossas relações para as telas de nossos computadores e celulares. Nos alimentamos de cursos à distância e lives até enjoarmos. 

E assim, o tempo foi passando. Ainda que de uma forma estranha e inesperada, dois anos se passaram na minha vida. E, da mesma forma, esse mesmo tempo se passou na vida dos meus conhecidos. 

Agora que estamos retomando os encontros presenciais, tenho me deparado com alguns desafios: minha família já não é mais a mesma, eu perdi a amizade de alguém que antes me era querido, me afastei de algumas pessoas e me (re) aproximei de outras. 

O fato é que todos nós mudamos. A retomada não se dá do mesmo ponto em que as coisas foram interrompidas. Voltar ao mundo presencial parece como acordar depois de uma longa noite de sono, o mundo gira lá fora, mas eu não consigo acompanhá-lo. 

Algumas convenções sociais mudaram, não sei se devo chamar meus amigos para sair ou não. Será que irei expô-los ao vírus? Será que ainda somos amigos? Será que devo tirar férias e comemorar mesmo sabendo que tantas pessoas estão tristes com suas perdas? E quanto às minhas perdas, o que devo fazer com elas?

Sentei para escrever esse texto e parece que me perdi em meus próprios pensamentos. Isso tem acontecido com alguma frequência… Ultimamente as palavras me escapam. 

Eu queria sair para o mundo de novo, mas, por enquanto, a janela é o limite.

Publicado em Crônicas, Textos

Máscara

Máscaras faciais usadas durante a pandemia do Coronavírus.

Sonhei que esquecia de vestir a máscara.

Eu entrei no elevador, desci, caminhei pelo hall do prédio e sai pela portaria, cumprimentando Julia, a funcionária do turno da manhã. Ela respondeu com um aceno, sem levantar a cabeça, e continuou fazendo anotações em seu livro de registros.

Foi só quando coloquei os pés na rua e senti uma lufada de vento gelado batendo em meu rosto que percebi. Levei as mãos ao queixo, tensa, e confirmei: estava sem a usual máscara de tecido que cobria metade da face.

Afastei rapidamente as mãos, lembrando que tocara uma série de objetos pelo caminho e ainda não havia me higienizado com álcool em gel. Foi isso que a vida virou: limpeza, preocupação e culpa.

Dei meia volta, passando pelo portão de cabeça baixa, e refiz meu caminho, andando rápido, com medo de cruzar com alguém e precisar me explicar. O condomínio aplicava multas em quem transitava em área coletiva sem máscara.

Puxei a gola da blusa, para tentar cobrir a boca e o nariz, enquanto rezava para não encontrar com nenhum vizinho no elevador. A subida foi longa, e eu estava tão nervosa que sentia os dedos trêmulos enquanto tentava encaixar a chave na fechadura.

Parece que só me permiti respirar novamente assim que me vi no aconchego de minha sala. Antes, via minha casa como um local de descanso, agora, era meu espaço seguro, possivelmente o único onde me sentia à vontade e em paz. Podendo respirar sem um tecido roçando em meu rosto, coçar os olhos, comer e tocar livremente nos objetos, desde que estivessem higienizados, é claro.

Ouvi o som de uma música invadindo a sala e rompendo com meu silêncio. E então acordei.

Era o despertador.

Levei a mão ao rosto, tateando meu queixo, boca, e nariz. Estava tudo bem, ainda estava em casa. Me afundei debaixo nas cobertas e me espreguicei, tomando coragem para levantar.

***

Passei o dia todo pensando no sonho e na aflição por me sentir despida da nova vestimenta social: a máscara facial.

É curioso como mesmo algo extremamente incômodo pode se tornar um hábito. A máscara tem dupla função: nos protege dos outros, enquanto os protege de nós. No começo, me sentia incomodada e demorava a conseguir ajeitá-la no rosto junto com os óculos, de forma que as lentes não embaçassem, por conta da respiração.

Me sentia esquisita, feia. Contava os dias para que sua obrigatoriedade acabasse. Agora, mais de um ano depois, confesso que não sei se saberia reconhecer algumas pessoas sem ela na rua. A Julia, da portaria, por exemplo, está trabalhando aqui há seis meses, o que quer dizer que, apesar de nos cumprimentarmos diariamente, nunca vi metade de seu rosto.

 Também demorei para me acostumar a não cumprimentar as pessoas com um beijo no rosto ou aperto de mãos. Me parecia falta de educação, dizer “oi” sem me aproximar. Ao mesmo tempo, é estranho pensar no quanto nos expúnhamos desnecessariamente ao tocar tantas pessoas sem saber no que elas haviam tocado antes.

Higiene, saúde e proteção foram conceitos ressignificados durante a pandemia. Apesar de sentir falta da tranquilidade de não precisar me preocupar com tantos detalhes, espero que consigamos manter alguns dos hábitos de higiene recém adquiridos. Afinal, não há mal nenhum em lavar as mãos assim que se chega em casa, não é mesmo?

Não acredito que estejamos vivendo um “novo normal”, como tantas matérias sensacionalistas insistem em dizer. Ainda vivemos em meio ao caos e, apesar das previsões, ainda não sabemos como sairemos dessa. Transformados, eu tenho certeza.

Sei que a pandemia não acabou, a doença é uma ameaça, e o comportamento de algumas pessoas também. Luto diariamente para cuidar de minha saúde física e mental, estou aprendendo a conviver com minha ansiedade, já que ambas habitamos as paredes de minha casa. Tento cuidar das pessoas queridas à distância e cuido do coletivo ao colaborar, não saindo sem necessidade e tomando todas as precauções possíveis.