Publicado em Artigos, Textos

Ler mais de um livro ao mesmo tempo: descubra os benefícios e mais 7 dicas para aproveitar a leitura

Ler mais de um livro ao mesmo tempo é uma prática comum entre os leitores assíduos. Mas pode ser uma novidade desafiadora para quem está tentando adquirir o hábito da leitura.

Estudos revelam que a leitura não traz benefícios apenas para o momento presente, mas ajuda também a proteger o cérebro contra o surgimento de doenças neurodegenerativas – como a demência e o Alzheimer.

O hábito de ler mais de uma obra simultaneamente também contribui muito com a atividade mental, uma vez que estimula o cérebro a lembrar de mais coisas e abre espaço para mais memórias, além de aguçar a concentração.

O hábito da leitura no Brasil

Apesar de existirem hoje comunidades de leitores dominando espaços digitais e divulgando uma série de obras – literárias e de não ficção –, o panorama geral do nosso país não é tão animador.

Segundo dados de uma pesquisa realizada pelo Instituto Pró-Livro (IPL) em 2019,  o número de leitores no país caiu de 56% para 52%, totalizando 4,6 milhões de pessoas. Essa pesquisa considera como leitor toda pessoa que leu pelo menos um livro (inteiro ou em partes) nos últimos três meses antes da aplicação da entrevista.

Os dados apontam que o brasileiro lê, em média, cinco livros por ano — mas apenas dois e meio completos.

Diante deste cenário, surge a urgência de conscientizar mais pessoas sobre a importância da leitura e incentivar o hábito.

Ler mais de um livro ao mesmo tempo é uma forma de aprender, se entreter e reforçar a criação de uma rotina que inclua mais livros, cultura e vocabulário.

Vale a pena ler mais de um livro ao mesmo tempo?

Quem me conhece sabe que eu não saio de casa sem ter ao menos um livro em minha companhia – não raro, você encontra mais do que um exemplar em minha bolsa. Tenho desde muito cedo o costume de ler como forma de aproveitar o tempo em intervalos como filas e salas de espera.

Desde que entrei na faculdade, esse hábito cresceu muito e comecei a conciliar leituras simultâneas para poder ler os materiais que os professores recomendavam sem abandonar a literatura, que é tão importante para o meu lazer e descanso.

E hoje eu vim dividir com vocês as 10 principais vantagens que eu percebo nesse hábito:

  1. Melhora a memória e a capacidade de reter informações: ao ler sobre mais de um assunto, você estimula seu cérebro a absorver mais informações, reter memórias e também a fazer mais associações entre os livros, ou seja, contribui para o desenvolvimento de pensamento crítico;
  2. Alternância entre temas: às vezes uma leitura pode ser densa e cansativa e, por isso, variar livros com diferentes temas e níveis de dificuldade é uma boa maneira de não abandonar os livros e se manter firme na leitura. Se um dos livros cansar e você precisar fazer uma pausa, outro estará à sua espera;
  3. Melhora o foco e a concentração: por estar trabalhando com mais informações e retendo um número maior de memórias, você treina a habilidade de se focar em cada assunto, e isso passa a se refletir em outras áreas da sua vida;
  4. Aprender sobre diferentes temas: somos seres plurais e temos diversos interesses. Se você se organizar, pode estudar sobre assuntos diferentes em paralelo e aprender sobre mais de um tema ao mesmo tempo;
  5. Expansão de vocabulário: ler mais de um livro te mostra diferentes formas de contar histórias e, ao entrar em contato com diferentes estilos de escrita, você adquire mais vocabulário e aumenta seu repertório cultural;
  6. Estimula a criatividade: a variedade de histórias fictícias e/ou temas de interesse, expande nossos horizontes e conhecimentos, nos tornando pessoas de pensamento mais ágil e criativo;
  7. Mescla estudos com lazer: se você precisa estudar e tem um compromisso, é comum que se foque nesse aprendizado. Porém, é possível encaixar livros mais leves na rotina como forma de descansar dos assuntos teóricos e ter um momento de lazer – lendo um livro de literatura ou poesia, por exemplo;
  8. Distribui o peso dos livros: pode ser que você queira ler um romance de quase mil páginas, ou esteja lendo um livro de referências enorme e pesado. Se você não quiser carregar esses calhamaços por aí, pode alterná-lo com um livro mais curto e leve. Deixando os livros maiores em casa, você torna a experiência da leitura mais confortável, e este pode ser um incentivo para não perder o ritmo; 
  9. Aumenta o volume de leituras: lendo mais de um livro ao mesmo tempo, você amplia a variedade de temas estudados e também tem a oportunidade de aumentar o número de livros lidos, uma vez que as leituras começam a fluir melhor e mais rápido com o tempo;
  10. Satisfação pessoal: se sua meta é ler mais livros, parabéns! Conquistar o hábito da leitura nos dá a sensação de que estamos aproveitando o tempo com temas prazerosos e que agregam valor para a vida – pessoal e profissional. 

Como vimos, existem muitas vantagens em organizar suas leituras e aproveitar o tempo para ler mais livros. Mas aqui vai um alerta: é preciso ter cuidado para não se atrapalhar no início do processo e nem perder a motivação. Entre as maiores dificuldade de quem está começando estão:

  1. Você pode se confundir: para algumas pessoas, lembrar de dois enredos, diferentes temas ou personagens de uma vez pode ser demais. É possível que você se sinta perdido e confunda as narrativas uma com a outra, estragando a experiência de ambas as leituras;
  2. Perder o foco: algumas pessoas começam a ler diversos livros, mas não terminam nenhum. Quando o foco muda muito rápido, pode ser difícil se demorar em uma história. Por isso é importante selecionar cada leitura e assumir um compromisso com os livros. Começar muitas leituras pode realmente ser pouco proveitoso;
  3. Preferir apenas as leituras fáceis: especialmente quando você divide seu tempo entre uma leitura por lazer e um estudo, pode ser uma tentação ler apenas o livro mais leve e prazeroso – é preciso encontrar um equilíbrio.

Como várias partes do nosso cérebro são ativadas durante a leitura, ao ler mais de um livro ao mesmo tempo, estamos fazendo-o trabalhar com mais intensidade e exercitando nosso potencial cognitivo. Isso já faz valer o desafio de dar uma chance para as leituras simultâneas!

7 dicas para aproveitar melhor a leitura

Se você está começando agora, se liga nessas dicas para aproveitar melhor as leituras e organizar os diferentes livros:

  1. Misture gêneros literários e/ou teóricos: para não se confundir, você pode optar por ler livros de diferentes gêneros. Por exemplo, pode ler um livro de ficção e um de poesias; ou então um livro de ficção e um livro teórico de sua área de estudos. Como os temas não se relacionam, você cria dois momentos distintos de leitura e absorve melhor o conteúdo de cada um;
  2. Não fique muito tempo sem retomar o livro: se você deixar passar muito tempo, a chance de esquecer parte da história ou do contexto é maior. Isso pode te levar ao abandono da leitura, ou à necessidade de retomar uma parte já lida, prejudicando a experiência com o livro;
  3. Faça anotações: especialmente quando for estudar sobre um tema teórico, você pode fazer anotações em um caderno ou arquivo do seu computador para revisitar os principais tópicos no futuro. Essa técnica também contribui com a retenção de informação pela mente, além de criar um material de consulta e referências;
  4. Você também pode variar o formato: hoje em dia temos livros físicos, livros digitais e audiobooks como opções. Por isso, você pode escolher um tema diferente para cada formato e criar momentos no seu dia para consumir cada um deles. Por exemplo, pode ler um exemplar físico em casa e ouvir um audiobook a caminho do trabalho ou enquanto malha na academia. Os leitores digitais também são boas opções para levar como acompanhante na rua, devido à sua praticidade e leveza;
  5. Estabeleça uma rotina: crie horários ao longo do seu dia para ler. Se você não estabelecer um compromisso consigo mesmo, dificilmente conseguirá incluir o hábito da leitura em seu dia a dia. Para saber mais sobre como criar um hábito, recomendo a leitura deste artigo aqui no blog;
  6. Leia cada livro em um horário diferente: se você emendar as leituras, seu cérebro pode não conseguir trocar de contexto com tanta agilidade e isso tornará a experiência cansativa e confusa. Por isso, o ideal é encontrar um momento diferente do dia para cada livro;
  7. Defina o objetivo de cada leitura: para organizar suas leituras e horários, pense sobre o objetivo de cada livro lido e, assim, sempre terá o livro adequado em mãos. Uma leitura leve e descontraída é perfeita para salas de espera, por exemplo. Já um livro de estudos requer um ambiente silencioso e maior concentração.

Minha experiência pessoal de leitura sempre foi muito positiva, sinto que consigo ler mais e, desta forma, aproveito melhor meu tempo para explorar os diversos temas que são do meu interesse. Por isso, recomendo que você separe alguns livros e dê uma chance para a leitura simultânea.

Me conta aqui nos comentários como é essa experiência pra você: você já leu ou tem o hábito de ler mais de um livro ao mesmo tempo? Quais são os desafios que encontra em sua rotina? Vou adorar bater um papo sobre as nossas leituras ❤

Publicado em Crônicas, Textos

Estranhas com memórias

Eu perdi uma amiga durante a pandemia. Não, não foi da forma como você está pensando. Ainda assim, doeu bastante.

Algumas amizades definham, outras simplesmente terminam.

Assim que saí da escola, prometi manter o contato com meus amigos. Mas a vida foi ficando corrida, cada um foi para um lado e então vieram a faculdade, o trabalho, o namoro… E ficou cada vez mais difícil nos encontrarmos.

Ainda trocávamos mensagens, lutávamos para abrir um espaço em comum em nossas agendas, até que a comunicação foi se espaçando para mensagens de aniversários e uma curtida aqui, outra ali.

E eu entendi que isso faz parte da vida. Ainda tenho algumas dessas pessoas nas redes sociais e acompanho, de longe, um pouquinho sobre suas vidas: uma foi morar fora do país, outra se casou e já tem uma filha, e uma delas dá dicas incríveis em seu perfil profissional. Às vezes a gente cresce em sentidos diferentes e os desencontros acontecem.

Na faculdade, o ciclo se repetiu, bem como em outros meios que frequentei. Algumas pessoas se afastam, enquanto outras seguem guardadas com carinho na memória. E são poucas as que realmente ficam, que crescem com a gente e continuam fazendo sentido em nossa história. Essas se tornam muito especiais – e essenciais – com o tempo.

Mas, pouco menos de um mês antes do mundo virar de cabeça para baixo, tive um pequeno desentendimento com meu grupo de amigos. Do meu ponto de vista era algo simples mesmo: manifestei um incômodo, gerei um incômodo, e conversamos sobre isso para seguir em frente sem mal-entendidos – ou pior, coisas não ditas.

Estávamos trocando mensagens até que alguém propôs um encontro presencial para conversarmos sobre tudo. Porém, logo em seguida, chegou a notícia da pandemia e da quarentena aqui no Brasil. Obviamente nosso encontro foi adiado.

E é claro que ninguém esperava que precisaríamos passar tanto tempo afastados.

Como medida emergencial, deixamos tudo isso de lado e nos comprometemos a trocar notícias, afinal, a prioridade era saber se todos estavam bem e em segurança. A amizade falou mais alto, sabe?

 Mas um incômodo ficou, e foi com uma única pessoa. Aquilo ficou martelando na minha cabeça, então eu a procurei e tentei resolver, mas ela disse que não estava em condições de lidar com isso no momento bom, em meio a uma pandemia, quem poderia julgá-la?

Só que os meses foram passando, e ela negou todas minhas tentativas de contato, até que atingimos o ápice: eu enviei um presente pelo correio em seu aniversário e ela nem se deu o trabalho de agradecer. Eu, boba, fui perguntar se havia sido entregue, pois a primeira coisa que eu pensei foi em extravio e não em descaso. Me enganei.

Esse foi o começo do fim.

A partir daí, comecei a me questionar se essa amizade tinha mesmo algum valor, pois, aparentemente, não era recíproca. Será que valia a pena insistir em alguém que decidiu me tratar de tal maneira? Passei os meses seguintes refletindo sobre isso e elaborando esse término.

Confesso que a história teve um agravante: nossos amigos em comum. Fiquei insegura quanto ao grupo e não quis envolvê-los, pois não queria que ninguém precisasse se posicionar. Entendi que aquele era um caso isolado – entre ela e eu.

Com o tempo, eu consegui me libertar desta relação. Nós compartilhamos muitos bons momentos juntas, sei muito sobre sua história, assim como ela sabe sobre a minha. Vivemos o final da adolescência e início da vida adulta juntas, foram muitas inseguranças compartilhadas, muito incentivo e sororidade – aliás, a gente nem conhecia essa palavra naquela época.

Eu acredito que nada apaga um relacionamento de mais de uma década. Mas é muito estranho pensar em como a balança estava desnivelada e em como ela não teve um pingo de consideração com nossa história.

Hoje, somos estranhas, mas ainda carregamos tantas memórias dos momentos compartilhados… Eu sei que este é um lugar estranho para se ocupar na vida de alguém, ainda assim, é melhor do que manter por perto – ou tentar ficar perto – de alguém que não te faz bem nenhum.