Publicado em Lifestyle, Textos

Como Conquistar de Vez o Hábito da Leitura

Mulher sentada em livraria lendo um livro.

Você é do tipo de pessoa que adora entrar em uma livraria, admirar capas de livros e se encantar ao ler as sinopses na contracapa? Talvez até compre alguns dos títulos mais atrativos ou indicados. Só que os livros ficam lá, eternamente parados na sua estante.

Se você deseja mudar esse cenário e criar uma rotina de leitura, continue lendo até o final e descubra como fazer da leitura um hábito saudável e prazeroso em sua vida.

Primeiro, é importante destacar que a leitura é uma das mais importantes maneiras de entrar em contato com o mundo. E o hábito da leitura pode servir aos mais diversos objetivos, como: podemos ler para nos informar; ler para estudar e aprender sobre um determinado assunto; ou ainda, podemos ler por prazer, apenas para saboreando as palavras e aumentando nosso repertório cultural. 

Caso ainda não esteja convencido, confira os benefícios de incorporar a leitura em sua rotina: 

  • Enriquecer vocabulário;
  • Ajuda a desenvolver a habilidade de comunicação: quanto mais você ler, mais facilidade terá para escrever e se expressar;
  • Oferece visões de mundo e pontos de vista diferentes dos nossos, funcionando como uma excelente expansão de consciência;
  • Ensina coisas novas;
  • Estimula a capacidade imaginativa e é um alimento para a criatividade;
  • Aumenta repertório cultural;
  • Auxilia na capacidade de entender e interpretar fatos e dados;
  • Oferece a chance de conhecer outros mundos sem precisar sair do lugar.

Mesmo assim, muitas pessoas sentem dificuldade de desenvolver o hábito da leitura.

Então aqui estão algumas dicas infalíveis para você conquistar de vez esse hábito:

  1. Comece: Parece óbvio, mas não podia ser mais verdadeiro. O segredo para desenvolver qualquer hábito é começar, fazendo um esforço para arranjar e preservar tempo para realizar a atividade. O hábito não se criará sozinho, você precisa se dedicar a ele até que seja naturalmente incorporado à sua rotina.
  2. Procure assuntos de seu interesse: Já vi muita gente desistir de ler, alegando que livros são chatos. Me soa como uma ofensa! Mas, vamos lá: o mais importante é que a leitura seja um momento prazeroso, caso contrário não dedicaremos esforço algum a ele. Ninguém lê para ficar entediado, concorda? Se quiser chegar até a última página, você precisa experimentar, se permita flutuar entre gêneros até descobrir o que lhe agrada. Sem julgamentos, ok? O lazer – e prazer – é todo seu. 
  3. Priorize qualidade: Não adianta se forçar a ler um livro só porque todo mundo já leu, tampouco adianta ler só para dizer que leu. Dê preferência a títulos que sejam de seu interesse e cujo conhecimento possa agregar valor, ou seja, lhe ensinar algo. A leitura não acaba quando fechamos o livro, é importante que a história ou conteúdo continue ressoando em nós, ela tem o poder de nos transformar. 
  4. Encontre um ambiente ideal: Algumas pessoas leem no ônibus, outras em uma sala barulhenta com a TV ligada, mas algumas precisam de silêncio absoluto. Apesar de poder ler em diversos momentos e locais, para aumentar ainda mais o prazer dessa atividade, uma boa dica é encontrar um lugar ideal, que seja confortável e te desperte a vontade de ter um livro como companhia. Vale preparar todo o ambiente, a luz, o som e até a bebida ou lanchinho que irá acompanhá-lo.
  5. Reserve espaço na agenda: É claro que é ótimo quando conseguimos ler nas horas vagas, uma boa maneira de aumentar o ritmo de leitura é ler em intervalos, otimizando seu tempo. Mas, também é fundamental encontrar um horário para ler sem interrupções, dê prioridade ao livro para conseguir entrar na história e aproveitar ainda mais o conteúdo. 
  6. Crie metas: Criar metas de leitura ajuda a estabelecer um bom ritmo de leitura, isso porque o cérebro quer sanar o desafio. Você pode criar uma meta de número de livros ou de páginas lidas para o ano e quebrar essa meta em blocos menores, como metas mensais e até um número mínimo diário, assim manterá um ritmo confortável. 
  7. Faça marcações: Esse assunto é polêmico, já que algumas pessoas são expressamente contra fazer qualquer marcação ou grifo em seus livros. Existem alternativas menos invasivas, como post-its e tirinhas colantes, caso não queira escrever ou riscar as páginas. O importante é que você possa manusear o livro durante a leitura, pois esse contato ajuda a fixar a aprendizagem. Faça resumos, destaque partes que lhe interessem ou que você queira encontrar facilmente depois.
  8. Se puder, leia mais de um livro ao mesmo tempo: Essa dica é comprovada cientificamente. Estudos afirmam que esse hábito força o nosso cérebro a lembrar de mais coisas e abrir espaço para mais memórias, além de aguçar a concentração, isso porque o cérebro é um músculo, e exercitando-o, ele se torna ainda mais forte. Caso ache difícil, uma boa dica é alternar entre estilos, por exemplo, ler um romance e um livro de poesias. 
  9. Procure dicas ou participe de grupos: Existem diversos fóruns e até redes sociais que reúnem pessoas com a mesma paixão pelos livros. Estar em ambientes que valorizam o hábito da leitura é uma forma de se manter estimulado e atualizado. Você pode acompanhar lançamentos, procurar por classificações e resenhas, enfim, tudo que o insira cada vez mais no mundo dos livros. 
  10. Use a tecnologia a seu favor: Apesar de a internet e os dispositivos serem uma grande fonte de distração, podemos usá-los como aliados na hora da leitura. Você pode optar por um dispositivo de leitura digital como alternativa a livros em formato físico, pode usar o bloco de notas do celular para anotar suas citações preferidas e pode usar aplicativos para criar e acompanhar suas metas. Vale tudo, menos perder o foco da leitura, combinado? 

Boa leitura! 😊

Publicado em Crônicas, Textos

Furo no tempo

Imagem de relógio para contar o Tempo.

“Você acha que eu tenho tempo pra isso?”, foi a resposta que ouvi ao meu pedido. Recolhi minha mágoa, guardando-a para lidar na terapia. Passaria horas destrinchando a rejeição, parecida com aquela outra que sofri na infância e que, provavelmente, era a responsável por eu me sentir da forma como me sentia hoje. 

Mas quem tem tempo para alguma coisa nos dias de hoje? Além de extremamente ocupados com nossos afazeres, desperdiçamos horas em nossos smartphones e usamos a boa e velha desculpa do tempo. Ninguém contesta, pois, eventualmente, todos usam a mesma carta. 

Eu sei como é não ter tempo para almoçar e só comer um lanchinho, matar a ida à academia por falta de espaço na agenda, pedir uma pizza porque não deu para cozinhar, perder uma consulta por ter calculado mal o trânsito, remarcar um cinema porque precisou trabalhar até mais tarde, perder a hora porque foi deitar exausto na noite anterior. E, meu favorito: combinar de combinar um almoço entre amigas e nunca chegar às vias de fato, porque parece impossível encontrar compatibilidade entre as agendas – spoiler: quanto maior o grupo de amigas, mais difícil. 

Heidegger dizia que é a temporalidade que nos define. Mas provavelmente ele não se referia a como nos tornamos escravos de nossas vidas pela falta dele. Vivemos em falta, sempre adiando e nos esquecendo de perguntar o que realmente importa. Será que um compromisso de trabalho é mesmo mais importante do que um final de semana de folga? Nunca vi alguém exausto conseguir ser produtivo. 

Temos relógios, mas não temos equilíbrio. Esquecemos há muito que somos nós mesmos os responsáveis por administrar as 24 horas que o dia nos dá, e o dia seguinte também, e depois o outro. E não adianta resmungar, o primeiro item da agenda deve ser organizar a própria, ou o resto vira um caos.

Escolhemos o que fazer com nossa limitação de tempo, por isso, aprender sobre prioridades deveria fazer parte do currículo básico das escolas. Ficamos frustrados por não conseguir dar conta de tudo o que gostaríamos e, invariavelmente, chateados se não somos escolhidos – ou priorizados – por outras pessoas. 

Por isso, quando meu irmão disse que não tinha tempo para me ajudar a instalar meu quadro novo fiquei chateada: ou ele não me priorizou, ou apenas usou a desculpa do seu relógio. É apenas um furo na parede, pelo amor de Deus!