Publicado em Crônicas, Textos

Está servido?

54. Está ServidoTodo dia (útil) faço tudo sempre igual: quando o despertador começa a gritar em meus ouvidos, acordo assustada, me viro, tento abafar o som com o travesseiro, até que me rendo e deslizo o dedo sobre a tela para fazer a música parar. De tempos em tempos preciso escolher uma nova música, nunca pode ser uma muito boa, pois logo passo a detestá-la, tendo arrepios só de ouvir as primeiras notas. 

Esse é um momento crucial, assim que o som para, preciso me forçar a levantar rápido, tenho poucos minutos antes de cair no sono novamente. Sigo, de olhos fechados, para o banheiro. Acordo mesmo é de baixo do chuveiro, quando a água começa a correr pelo meu corpo. Depois me seco e enrolo a toalha na cabeça. Só depois me escolher minha roupa e calçar minhas confortáveis pantufas é que vou para a cozinha. Apesar da rotina pré-matinal, o dia só começa mesmo quando coloco a água para ferver e o pó no coador. O cheirinho quente do café termina de me despertar. É então que eu sei que mais um dia começou. Vou para a mesa e tomo meu sagrado café da manhã. Depois de comer, encho mais uma xícara e fico olhando as notificações do celular, notícias da noite anterior e do dia que começa. 

Conheço muitas pessoas que dizem que só bebem café quando precisam acordar. A cafeína desperta. Sinceramente? Já não sinto esse efeito há tempos. Apesar de não conseguir ficar sem meu ritual matinal, ao longo do dia, não sinto que uma xícara de café consiga me despertar ou dar mais energia. Eu tomo é porque é gostoso mesmo. Um copinho quando chego no trabalho, mais um quando passo pela garrafa no caminho para o banheiro. E mais alguns durante a tarde – mas, quem está contando? 

Forte, suave ou encorpado, cada um tem seu gosto. Aqui em casa temos sempre três tipos: o coado de todas as manhãs, o solúvel para quando estamos com pressa, e em cápsulas, que fazemos todos os finais de semana desde que ganhei uma daquelas máquinas modernas em meu último aniversário.

Tem gente que gosta com aroma, misturado com leite, sem açúcar ou até com gelo. O que eu mais gosto no café, para além do paladar, é seu valor social. O famoso “vamos marcar um café”, promotor de inúmeros encontros, pessoais, amorosos ou profissionais. Além do “tomar um cafézinho” para ter uma conversa discreta fora do local de trabalho ou mesmo no cantinho da área de descanso. Em momentos difíceis, alguém vai para a cozinha e passa um café rápido. As energias são revigoradas assim que a bebida quente passa pela garganta. 

Também é um ótimo companheiro quando você precisa terminar um projeto ou ficar até mais tarde no trabalho. Agora mesmo, intercalo palavras com goles quentes enquanto escrevo esse texto. Assopro, escrevo, bebo. Está servido?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s